quarta-feira, 20 de abril de 2011

(ter filhos)

(quando as pessoas têm filhos levam-nos a sítios para que as pessoas os vejam. quando eu estou nos sítios tento escapar-me. não tenho absolutamente nada contra crianças - ressalva tão escusada quanto obrigatória -, mas a pressão é demasiada. tipo um amigo que compra um opel corsa em segunda mão e vai lá a casa mostrá-lo. o que é suposto dizer-se? é um bebé. nem sequer vai perceber as frases mais bonitas que eu eventualmente sacar da cartola. é óptimo que tenham bebés - deve ser -, óptimo para eles. fora aquelas alturas em que é péssimo.
a maioria das minhas amigas, não as mais próximas, mas a maioria, têm filhos. isso estragou-nos as dinâmicas de jantares e copos e enrugou-lhes as bochechas. de resto, deve tê-las feito mais felizes. eu não sei bem, porque passámos a falar só por sms e por sms o mundo é tão orgânico e linear.
o que eu acho sobre ter filhos é portanto exactamente igual ao que acha qualquer outra (blogger) solteira nos 30: ressalvas e menosprezo.
acontece que eu gosto de comer. e se à mesa há pratinhos de entradas, eu vou querer provar as que nunca provei e a seguir experimentar um prato novo da ementa. no sábado comi santiagos - nunca tinha ouvido sequer falar deles e fiquei muito contente. há dois dias olhei para a minha barriga - a minha barriga é fofinha e tem espaço - e pensei que mais cedo do que tarde vou querer experimentar ter um filho porque no fundo não vou descansar enquanto não souber ao que sabe.)

5 comentários:

Nawita disse...

Está-me a nascer um dento do siso!!

também adoraria participar do milagre que é ter um filho, mas amo demasiado a criança que ainda não o é, para a trazer a este mundo que odeio.
felizmente à minha volta tenho muitas crianças, é para mim um privilégio poder fazer parte da vida delas.

Calíope disse...

Hmm... mas comes os santiagos e segues com a tua vida. Com um filho nos braços já nada será igual para todo o sempre, para o bem e para o mal.

Entretanto fica aqui isto bem a propósito:
http://www.sabado.pt/Multimedia/FOTOS/-span--b-Sociedade-b---span--(1)/Fotogaleria-(61).aspx

lampâda mervelha disse...

E nos entretantos, vai mais um santiago. Acho bem.

Close up! disse...

É do género:
Enquanto somos jovens só queremos ver crianças ao longe mas à medida que crescemos já nos começa a nascer o "bichinho" da curiosidade...
Tenho 27 anos, fui pai aos 20 e queres sabre a melhor?
Não podia nem sequer ouvir falar de crianças...mas foi o melhor que me aconteceu!

Pilar disse...

depois n dá para voltar para trás...e às vezes n apetece nada aturá-los [muitas vezes]. a cena fixe dos filhos é que crescem [para mim é, nunca gostei de bebés]. os filhos crescidos são porreiros, dá para ter conversas. e discussões. uma espécie de amigos em quem podemos mandar. se forem mesmo crescidos fazem o jantar para nós. isso também é fixe [mas é apenas a pequena compensação para todos os que já tivemos que fazer para eles ao longo de todos os anos].